Quando Jesus Cristo viveu na Terra, estabeleceu Sua Igreja, a �nica Igreja verdadeira. Ele a organizou de modo que as verdades do evangelho fossem ensinadas a todas as pessoas, e as suas ordenan�as administradas corretamente com autoridade. Por meio desta organiza��o, Cristo poderia trazer as b�n��os de salva��o para a humanidade.

Ap�s a ascens�o do Salvador aos c�us, os homens mudaram as ordenan�as e doutrinas que Ele e Seus Ap�stolos haviam estabelecido. Devido � apostasia, n�o havia mais revela��o direta de Deus. A verdadeira igreja n�o estava mais sobre a Terra. Os homens organizaram igrejas diferentes que clamavam ser verdadeiras, mas ensinavam doutrinas conflitantes. Havia muita confus�o e contenda sobre religi�o. O Senhor havia previsto essas condi��es, dizendo que haveria "fome sobre a terra; n�o fome de p�o, nem sede de �gua, mas de ouvir as palavras do Senhor. (...) Correr�o por toda a parte, buscando a palavra do Senhor, mas n�o a achar�o." (Am�s 8:11-12)

O Salvador prometeu que restauraria Sua Igreja nos �ltimos Dias. Disse Ele: "Continuarei a fazer uma obra maravilhosa no meio deste povo, uma obra maravilhosa e um assombro." (Isa�as 29:14)

Por muitos anos as pessoas viveram na escurid�o espiritual. Aproximadamente 1700 anos depois de Cristo, as pessoas come�aram a se tornar cada vez mais interessadas em conhecer a verdade sobre Deus e sobre religi�o. Algumas puderam ver que o evangelho que Jesus pregou n�o estava mais sobre a Terra. Outras reconheciam que n�o havia mais revela��o, nem autoridade verdadeira, e que a igreja que Cristo organizara n�o mais existia sobre a Terra. Chegara o tempo da restaura��o da Igreja de Jesus Cristo ao mundo.

Na primavera de 1820, ocorreu um dos mais importantes acontecimentos da hist�ria. Havia chegado a hora da obra maravilhosa e do assombro que o Senhor mencionara. Ainda apenas um rapaz, Joseph Smith desejava saber qual de todas as igrejas era a verdadeira Igreja de Cristo. Assim, retirou-se para um bosque perto de sua casa e orou humilde e intensamente ao Pai Celestial, perguntando-Lhe a qual igreja deveria filiar-se. Naquela manh�, uma coisa maravilhosa aconteceu: o Pai Celestial e Jesus Cristo apareceram a Joseph Smith. O Salvador lhe disse que n�o se filiasse a nenhuma igreja, porque a igreja verdadeira n�o estava na Terra. Tamb�m lhe disse que os ensinamentos dessas igrejas eram "uma abomina��o � Sua vista" (Joseph Smith 2:19; ver tamb�m 2:7-20). A partir desse acontecimento, come�ou a haver novamente revela��es do c�u. O Senhor havia escolhido um novo profeta. Desde esse tempo, o c�u n�o se fechou mais. A revela��o continua at� os nossos dias por interm�dio de cada um dos profetas escolhidos. Joseph ajudaria a restaurar o verdadeiro evangelho de Jesus Cristo.

Ao ser restaurado o evangelho, Deus concedeu novamente o sacerd�cio aos homens. Jo�o Batista veio em 1829 e ordenou Joseph Smith e Oliver Cowdery ao Sacerd�cio Aar�nico. (Ver D&C 13; 27:8.) Depois, Pedro, Tiago e Jo�o, a presid�ncia da Igreja nos tempos antigos, vieram e conferiram a Joseph e Oliver o Sacerd�cio de Melquisedeque e as chaves do reino de Deus. (Ver D&C 27:12-13.) Mais tarde, foram restauradas chaves adicionais do Sacerd�cio por mensageiros celestiais como Mois�s, Elias e Elias. (Ver D&C 110:11-16.) Por interm�dio da Restaura��o, o sacerd�cio foi devolvido � Terra. Aqueles que possuem esse sacerd�cio hoje t�m autoridade para realizar ordenan�as tais como o batismo. Possuem tamb�m autoridade para dirigir o reino do Senhor na Terra.

Em 6 de abril de 1830, o Salvador dirigiu novamente a organiza��o de Sua Igreja sobre a Terra. (Ver D&C 20:1.) Chama-se a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos �ltimos Dias. (Ver D&C 115:4.) Cristo � o cabe�a da Igreja hoje, assim como nos tempos antigos. O Senhor disse que ela � "a �nica igreja viva e verdadeira sobre a face da terra, com a qual, eu, o Senhor, me deleito." (D&C 1:30)

Joseph Smith foi apoiado como Profeta e "primeiro �lder" da Igreja. (Ver D&C 20:2-4.) Mais tarde, foi organizada a Primeira Presid�ncia, e ele apoiado como Presidente. Quando a Igreja foi organizada, estabeleceu-se apenas a estrutura. A organiza��o completou-se nos anos seguintes.

A Igreja foi organizada com os mesmos of�cios existentes na Igreja antiga. Aquela organiza��o inclu�a Ap�stolos, profetas, setentas, evangelistas (patriarcas), pastores (oficiais presidentes), sumos sacerdotes, �lderes, bispos, sacerdotes, mestres e di�conos. Esses mesmos oficiais existem na igreja hoje. (Ver Regras de F� 1:6.)

Um profeta, sob a dire��o do Senhor, dirige a Igreja. Esse profeta � tamb�m o Presidente da Igreja. Ele possui toda a autoridade necess�ria para dirigir o trabalho do Senhor na Terra. (Ver D&C 107:65, 91.) Dois conselheiros ajudam o Presidente. Doze Ap�s-tolos, que s�o testemunhas especiais de Cristo, ensinam o evangelho em todas as partes do mundo. Outros oficiais gerais da Igreja com designa��es especiais s�o o Bispado Presidente e os Quoruns dos Setenta.

Os of�cios do Sacerd�cio incluem Ap�stolos, setentas, patriarcas, sumos sacerdotes, �lderes, sacerdotes, mestres e di�conos. Esses s�o os mesmos of�cios que existiam na Igreja original.

A Igreja cresceu muito mais do que nos dias de Jesus. Na medida em que vai crescendo, o Senhor revela unidades adicionais de organiza��o dentro da Igreja. Quando a Igreja est� completa-mente organizada em uma �rea, possui divis�es locais chamadas estacas. Um presidente e dois conselheiros presidem cada estaca. A estaca possui doze sumos conselheiros que ajudam a obra do Senhor na �rea. Os quoruns do Sacerd�cio de Melquisedeque s�o organizados na estaca sob a dire��o do presidente da estaca. (Ver cap�tulo 14, "A Organiza��o do Sacerd�cio.")

Cada estaca � dividida em �reas menores chamadas alas. Um bispo e dois conselheiros presidem cada ala. Nas �reas do mundo onde a Igreja est� crescendo, existem miss�es que s�o divididas em unidades menores chamadas distritos, ramos, ramos pequenos, grupos e fam�lias.

A Igreja hoje ensina os mesmos princ�pios e realiza as mesmas ordenan�as que eram feitas no tempo de Jesus. Os primeiros princ�pios e ordenan�as do evangelho s�o f� no Senhor Jesus Cristo, arrependimento, batismo por imers�o e imposi��o das m�os para o dom do Esp�rito Santo. (Ver Regras de F� 1:4.) Essas verdades preciosas foram devolvidas em sua plenitude quando a Igreja foi restaurada.

Pelo dom e poder de Deus, Joseph Smith traduziu o Livro de M�rmon, que cont�m as verdades claras e preciosas do evangelho. Seguiram-se muitas outras revela��es que foram registradas como escrituras em Doutrina e Conv�nios e P�rola de Grande Valor. (Ver cap�tulo 10, "Escrituras.")

A seguir, encontram-se outras verdades importantes que o Senhor restaurou.

1. O Pai Celestial � uma pessoa real, com um corpo tang�vel de carne e ossos.

2. Existimos na vida pr�-mortal como filhos espirituais de Deus.

3. O sacerd�cio � necess�rio para administrar as ordenan�as do evangelho.

4. Os homens ser�o punidos por seus pr�prios pecados e n�o pela transgress�o de Ad�o.

5. As crian�as n�o precisam ser batizadas, at� que sejam respons�veis por suas a��es (oito anos de idade).

6. Existem tr�s graus de gl�ria nos c�us, e os homens ser�o re-compensados de acordo com suas obras na Terra.

7. Os relacionamentos familiares podem ser eternos, por meio do poder de selamento do sacerd�cio.

8. A investidura e os selamentos no templo podem ser realizados tanto para os vivos como para os mortos.

Desde sua restaura��o, em 1830, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos �ltimos Dias tem crescido rapidamente em n�mero de membros. Existem membros em quase todos os pa�ses do mundo. A Igreja continuar� a crescer. Como Cristo disse: "Este Evangelho do Reino ser� pregado em todo o mundo, para testemunho a todas as na��es". (Joseph Smith-Mateus 1:31) A Igreja nunca mais ser� tirada da Terra. Sua miss�o � levar a verdade a todas as pessoas. H� milhares de anos, o Senhor disse que Ele "(levantaria) um reino que n�o (seria) jamais destru�do; e este reino n�o (passaria) a outro povo (...) e (seria estabelecido) para sempre." (Daniel 2:44)

� Apocalipse 14:6; Daniel 2:44-45; Isa�as 2:2-4; 2 N�fi 3:6-15 (predita a Restaura��o)

� D&C 110; 128:19-21; 133:36-39, 57-58 (restaura��o do evangelho)

� Ef�sios 2:20 (Jesus Cristo, a pedra de esquina da Igreja)

� D&C 20:38-67 (deveres dos oficiais da Igreja)

� Mateus 24:14 (o evangelho a ser pregado a todas as na��es)

 

<< Cap�tulo 16

Sum�rio

P�gina Inicial

Cap�tulo 18 >>