Sacrif�cio � o teste m�ximo do evangelho. Significa dar ao Senhor qualquer coisa que Ele requeira de n�s em mat�ria de tempo, bens terrenos e energia, para levar avante a Sua obra. O Senhor ordenou: "Buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justi�a" (Mateus 6:33). As pessoas t�m sido sempre testadas para ver se colo-car�o as coisas de Deus em primeiro lugar na vida.

Desde o tempo de Ad�o e Eva at� o tempo de Jesus Cristo, o povo do Senhor praticou a lei do sacrif�cio de animais (ver Mois�s 5:5). Esta era uma ordenan�a do evangelho. Era ordenado ao povo que oferecesse em sacrif�cio os primog�nitos de seus rebanhos. Esses animais deviam ser perfeitos, sem manchas. A ordenan�a foi dada para lembrar ao povo que Jesus Cristo, o primog�nito do Pai, viria ao mundo. Ele seria perfeito de todas as formas e Se ofereceria como sacrif�cio pelos nossos pecados (ver Mois�s 5:5-8).

Jesus veio e ofereceu-Se como sacrif�cio, exatamente como havia sido ensinado que Ele faria. Devido a esse sacrif�cio, todos ser�o salvos da morte f�sica pela Ressurrei��o e todos poder�o ser salvos dos seus pecados pela f� em Jesus Cristo (ver cap�tulo 12, "O Sacrif�cio Expiat�rio").

O sacrif�cio expiat�rio de Cristo marcou o fim dos sacrif�cios de sangue, que foram substitu�dos pela ordenan�a do sacramento. A ordenan�a do sacramento tamb�m foi dada para lembrar-nos do grande sacrif�cio do Salvador. Devemos participar do sacramento com freq��ncia. Os emblemas do p�o e da �gua nos lembram o corpo ferido e o sangue de Cristo, que Ele derramou por n�s (ver cap�tulo 22, "O Sacramento").

Embora o sacrif�cio de sangue tenha terminado, o Senhor ainda nos pede que sacrifiquemos. Mas agora Ele exige um tipo diferente de oferta, como lemos na seguinte escritura: "E v�s n�o me oferecereis mais derramamento de sangue; (...) vossos sacrif�cios e holocaustos cessar�o (...). E oferecer-me-eis como sacrif�cio um cora��o quebrantado e um esp�rito contrito." (3 N�fi 9:19-20) "Um cora��o quebrantado e um esp�rito contrito" significa que ofereceremos profunda tristeza por nossos pecados, humilhando-nos e arrependendo-nos.

O Ap�stolo Paulo escreveu que devemos tornar-nos sacrif�cios vivos, santos e aceit�veis a Deus (ver Romanos 12:1).

Se vamos tornar-nos um sacrif�cio vivo, devemos, se nos for pedido, estar prontos para dar tudo o que temos � Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos �ltimos Dias.

Um jovem pr�ncipe perguntou ao Salvador: "Que hei de fazer para herdar a vida eterna?" Jesus respondeu: "Sabes os manda-mentos: N�o adulterar�s, n�o matar�s, n�o furtar�s, n�o dir�s falso testemunho, honra a teu pai e a tua m�e." E o pr�ncipe disse: "Todas essas coisas tenho observado desde a minha mocidade." Quando Jesus ouviu isto, disse: "Ainda te falta uma coisa; vende tudo quanto tens, reparte-o pelos pobres, e ter�s um tesouro no c�u; vem, e segue-me." Quando o pr�ncipe ouviu isto, ficou triste porque era muito rico e tinha colocado o cora��o nas riquezas (ver Lucas 18:18-23).

O jovem pr�ncipe era um bom homem, mas, quando foi testado, n�o se disp�s a sacrificar seus bens terrenos. Por outro lado, os disc�pulos do Senhor, Pedro e Andr�, estavam prontos a sacrificar tudo pelo reino de Deus. Quando Jesus lhes disse: "Vinde ap�s mim (...) eles, deixando logo as redes, seguiram-no" (Mateus 4:19-20).

Assim como os disc�pulos, podemos oferecer nossas atividades di�rias como um sacrif�cio ao Senhor. Podemos dizer: "Seja feita a tua vontade." Abra�o fez isso. Ele viveu na Terra antes de Cristo, nos dias em que eram requeridos sacrif�cios de sangue e holocaustos. Como um teste para a f� de Abra�o, o Senhor ordenou que ele oferecesse o filho Isaque como sacrif�cio. Isaque era o �nico filho de Abra�o e Sara. Oferec�-lo como sacrif�cio foi extremamente doloroso para Abra�o.

N�o obstante, ele e Isaque fizeram a longa jornada at� o Monte Moriah onde o sacrif�cio deveria realizar-se. Viajaram por tr�s dias. Imaginem os pensamentos de Abra�o e a dor que sentia no cora��o. Seu filho deveria ser sacrificado ao Senhor. Quando chegaram ao Monte Moriah, Isaque carregou a lenha, e Abra�o o fogo e a faca ao local onde deviam construir o altar. Isaque disse: "Meu pai (...) eis aqui o fogo e a lenha, mas onde est� o cordeiro para o holocausto?" Abra�o respondeu: "Deus prover� para si o cordeiro para o holocausto, meu filho." Ent�o, Abra�o construiu um altar e arrumou a lenha nele. Amarrou Isaque e o colocou sobre a lenha. Tomou ent�o a faca para matar Isaque. Nesse momento, um anjo do Senhor o parou, dizendo: "Abra�o, (...) N�o estendas a tua m�o sobre o mo�o, e n�o lhe fa�as nada; porquanto agora sei que temes a Deus, e n�o me negaste o teu filho, o teu �nico" (ver G�nesis 22:1-14).

Abra�o deve ter-se enchido de alegria quando n�o lhe foi mais exigido que sacrificasse o filho. Por�m, ele amava tanto ao Senhor, que estava disposto a fazer tudo o que Ele lhe ordenasse.

Apenas por interm�dio do sacrif�cio podemos tornar-nos dignos de viver na presen�a de Deus e ter vida eterna. Muitos que viveram antes de n�s sacrificaram tudo o que possu�am. Devemos estar dispostos a fazer o mesmo, se desejarmos usufruir as ricas recompensas que eles t�m hoje [ver Joseph Smith, "Lectures on Faith", (Discursos sobre F�) p. 58].

� poss�vel que n�o seja exigido que sacrifiquemos tudo o que possu�mos. Mas, como Abra�o, devemos estar prontos a sacrificar tudo para nos tornarmos dignos de viver na presen�a do Senhor.

O povo do Senhor sempre sacrificou muito e de diferentes maneiras. Alguns sofreram afli��es e esc�rnio por causa do evangelho. Conversos foram cortados da fam�lia. Amigos de toda uma vida afastaram-se. Alguns perderam o emprego, e outros, a vida. Mas o Senhor sabe de nossos sacrif�cios e prometeu:

"E todo aquele que tiver deixado casas, ou irm�os, ou irm�s, ou pai, ou m�e, ou mulher, ou filhos, ou terras, por amor de meu nome, receber� cem vezes tanto, e herdar� a vida eterna (Mateus 19:29).

Na medida em que nosso testemunho do evangelho cresce, tornamo-nos capazes oferecer sacrif�cios cada vez maiores ao Senhor. Observem os sacrif�cios feitos nos exemplos ver�dicos a seguir:

Um membro da Igreja na Alemanha guardou o d�zimo por anos, at� que algu�m com autoridade do sacerd�cio pudesse ir at� l� para receb�-lo.

Uma professora visitante da Sociedade de Socorro serviu por trinta anos sem deixar de cumprir uma designa��o sequer.

Um grupo de santos da �frica do Sul viajou tr�s dias em p�, para poder ver e ouvir o profeta do Senhor.

Numa confer�ncia de �rea no M�xico, os membros da Igreja dormiram no ch�o e jejuaram durante os dias da confer�ncia, pois haviam usado todo o dinheiro no transporte e n�o tinham com o que comprar comida ou pagar hospedagem.

Uma fam�lia vendeu seu carro para conseguir dinheiro e contribuir para o fundo de constru��o de um templo.

Outra fam�lia vendeu a casa para conseguir dinheiro para ir ao templo.

Muitos santos dos �ltimos dias fi�is t�m pouco para a pr�pria subsist�ncia, mas ainda assim pagam d�zimos e ofertas.

Um irm�o sacrificou o emprego porque se recusou a trabalhar aos domingos.

Em um ramo, os jovens ofereceram-se para cuidar das crian�as enquanto os pais ajudavam a construir a capela.

Rapazes e mo�as deixam bons empregos para servir como mission�rios.

Muitos outros exemplos poderiam ser citados a respeito de pessoas que se sacrificaram pelo Senhor. Entretanto, um lugar no reino do Pai Celestial vale qualquer sacrif�cio que tenhamos que fazer quanto ao nosso tempo, talentos, energia, dinheiro e tamb�m nossa vida. Fazendo sacrif�cios, podemos obter de Deus a certeza de que somos aceit�veis a Ele (ver D&C 97:8).

� Lucas 12:16-34 (o tesouro est� onde est� o cora��o)

� Lucas 9:57-62 (sacrif�cio para ser merecedor do reino)

� D&C 64:23; D&C 97:12 (hoje � um dia de sacrif�cio)

� D&C 98:13-15 (os que perdem a vida pelo Senhor, encontram-na)

� Alma 24 (o povo de Amon sacrificou a vida, mas n�o quebrou seu juramento ao Senhor)

� Alma 27:5-10 (o povo de Amon ofereceu-se para tornar-se escravo em pagamento de seus pecados)

 

<< Cap�tulo 25

Sum�rio

P�gina Inicial

Cap�tulo 27 >>