A d�cima terceira regra de f� diz: "Cremos em ser honestos". O Livro de M�rmon fala-nos de um grupo de pessoas que "se distinguiram por seu zelo para com Deus, assim como para com os homens, porque eram perfeitamente honestos e justos em todas as coisas; e conservaram-se firmes na sua f� em Cristo at� o fim." (Alma 27:27) Essas pessoas foram notadas pelo seu pr�ximo e por Deus devido a sua honestidade. � importante que aprendamos o que � a honestidade, como somos tentados a sermos desonestos e como podemos sobrepujar essa tenta��o.

� necess�rio que sejamos completamente honestos para conseguirmos a salva��o. Um Ap�stolo do Senhor disse: "A honestidade � um princ�pio de salva��o no reino de Deus. (...) Assim como ningu�m pode ser salvo sem batismo, assim tamb�m ningu�m conseguir� salvar-se sem honestidade." (Mark E. Petersen, A Liahona, agosto de 1972, p. 9.)

Deus � honesto e justo em todas as coisas (ver Alma 7:20). N�s tamb�m devemos ser honestos em todas as coisas para nos tornarmos como Ele. O irm�o de Jarede testificou: "Sim, Senhor, eu sei que (...) �s um Deus de verdade e n�o podes mentir" (�ter 3:12). Em contraste, o dem�nio � mentiroso. Na verdade, ele � o pai das mentiras (ver 2 N�fi 9:9). "Aqueles que decidem trapacear, mentir, enganar e deturpar, tornam-se escravos (do dem�nio)." (Mark E. Petersen, A Liahona, agosto de 1972, p. 10.)

Mentir � enganar intencionalmente os outros. Prestar falso testemunho � uma forma de mentira. O Senhor deu este mandamento aos filhos de Israel: "N�o dir�s falso testemunho contra o teu pr�ximo." (�xodo 20:16) Jesus tamb�m ensinou isso, quando estava na Terra (ver Mateus 19:18). Existem muitas outras formas de mentira. Quando falamos inverdades, somos culpados de mentir. Podemos tamb�m, intencionalmente, enganar os outros com um gesto ou com um olhar, pelo sil�ncio ou por dizer apenas parte da verdade. Sempre que, de qualquer forma, levarmos as pessoas a acreditarem em algo que n�o � verdade, n�o estamos sendo honestos.

O Senhor n�o se agrada de tal desonestidade e teremos que prestar contas de nossas mentiras. Satan�s tenta fazer com que acreditemos que n�o faz mal mentir, dizendo: "Sim, menti um pouco (...) n�o h� mal nisso" (2 N�fi 28:8). Satan�s encoraja-nos a justificar nossas mentiras para n�s mesmos. Uma pessoa honesta reconhecer� as tenta��es de Satan�s e falar� apenas a verdade, embora isso pare�a resultar em desvantagem para si mesma.

Jesus ensinou: "N�o furtar�s" (Mateus 19:18). Furtar � apossar-se de algo que n�o nos pertence. Quando nos apossamos de algo que pertence a outra pessoa, a uma loja ou � comunidade, sem permiss�o, estamos roubando. Pegar mercadorias ou suprimentos de um empregador � roubo. Aceitar um troco maior ou mais coisas do que devemos � desonesto. Pegar mais do que a parte que nos compete de qualquer coisa � furto.

N�s enganamos quando damos menos do que devemos ou quando recebemos algo que n�o merecemos. Alguns empregados enganam os patr�es n�o trabalhando todo o tempo pelo qual s�o pagos. Alguns patr�es n�o s�o justos com os funcion�rios, pagando-lhes menos do que merecem. Satan�s diz: "Aproveitai-vos de algu�m por causa de suas palavras, abri uma cova para o vosso vizinho" (2 N�fi 28:8). Tirar vantagem injustamente � uma forma de desonestidade. Fornecer mercadorias inferiores ou prestar um servi�o de m� qualidade � enganar.

As pessoas usam muitas desculpas para justificar a desonestidade. Elas mentem para proteger-se e para que os outros pensem bem delas. Algumas encontram desculpas para roubar, achando que merecem o que foi roubado, pretendem devolv�-lo ou precisam dele mais do que o dono. Outros colam para obter melhores notas na escola, porque "todos fazem isso" ou por despeito.

Essas desculpas e muitas outras mais s�o dadas como raz�es para a desonestidade. Para o Senhor n�o existem raz�es aceit�veis. O Presidente Kimball ensinou que, quando nos desculpamos, enganamo-nos a n�s mesmos e o Esp�rito do Senhor j� n�o permanece em n�s. Tornamo-nos cada vez mais in�quos. [Ver Faith Precedes the Miracle (A F� Precede o Milagre), p. 234.]

Para nos tornarmos completamente honestos, precisamos olhar cuidadosamente para nossa vida. Se existem maneiras pelas quais estamos sendo desonestos no m�nimo grau, devemos arrepender-nos delas imediatamente.

Quando somos completamente honestos, n�o podemos ser corrompidos. Somos fi�is a toda confian�a, dever, acordo ou conv�nio, mesmo que tenhamos que perder dinheiro, amigos ou a vida. Ent�o podemos encarar o Senhor, a n�s mesmos e aos outros sem nos envergonharmos. O Presidente Joseph F. Smith nos aconselhou: "Todo homem deve viver de tal forma que seu car�ter passe inc�lume pelo mais rigoroso dos julgamentos, e que sua vida possa ser vista como se fosse um livro aberto, para que ele nada tenha a temer ou de que se envergonhar." (Doutrina do Evangelho, p. 229.)

� D&C 50:17 (falar apenas pelo esp�rito da verdade)

� D&C 76:103-6 (o destino dos mentirosos)

� D&C 42:27 (mandamento de n�o falar mal do pr�ximo)

� �xodo 20:15-16 (mandamento de n�o roubar ou prestar falso testemunho)

� D&C 42:20, 84-85; 59:6 (proibidos de roubar)

� D&C 3:2 (Deus � honesto)

� D&C 10:25-28 (Satan�s engana)

 

<< Cap�tulo 30

Sum�rio

P�gina Inicial

Cap�tulo 32 >>