O Pai Celestial sabe de tudo que necessitamos. Ele nos deu este mandamento e promessa: "Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justi�a, e todas estas coisas vos ser�o acrescentadas" (Mateus 6:33).

O Pai Celestial deu-nos mandamentos para nos ajudar, de todas as maneiras, a nos prepararmos para viver na Sua presen�a, e proporcionou uma forma pela qual agradecer-Lhe por nossas b�n��os. Pagar d�zimos e ofertas espontaneamente � uma forma de mostrar-Lhe nossa gratid�o. Ao pagarmos essas ofertas, mostramos ao Salvador que O amamos e que obedeceremos aos Seus conselhos: "Na verdade este � um dia de sacrif�cio, e um dia para o d�zimo do meu povo" (D&C 64:23).

Em tempos antigos, Abra�o e Jac� obedeceram ao mandamento de pagar um d�cimo de suas posses (ver Hebreus 7:1-10; G�nesis 28:20-22).

Nos tempos modernos, o Profeta Joseph Smith orou: "� Senhor, torne conhecido aos teus servos, quanto d�zimo requeres que o teu povo d� de suas propriedades" (D&C 119, cabe�alho da se��o). O Senhor respondeu: "E este ser� o princ�pio do d�zimo do meu povo. E depois disso, os que assim tiverem pago o seu d�zimo, pagar�o um d�cimo de todos os seus juros anuais; e isto lhes ser� uma lei perp�tua" (D&C 119:3-4).

O d�zimo � um d�cimo de nossa renda. Isto significa que devemos dar um d�cimo de tudo o que ganhamos, antes de suprirmos nossas pr�prias necessidades, tais como alimento, roupas e teto. Se nossa renda for na forma de rebanhos, manadas ou co-lheitas, em vez de dinheiro devemos dar um d�cimo dessas coisas (ver Lev�tico 27:30-32).

Quando pagamos o d�zimo mostramos fidelidade ao Senhor e ensinamos o valor dessa lei aos nossos filhos, que desejar�o seguir o exemplo e pagar o d�zimo de todo o dinheiro que ganharem.

� importante que saibamos dar espontaneamente. "Quando uma pessoa paga o d�zimo sem sentir satisfa��o, deixa de receber uma parte da b�n��o. � preciso aprender a dar com alegria, boa vontade e espontaneamente, de modo que a d�diva seja aben�oada." [Stephen L. Richards, A Lei do D�zimo (panfleto, 1983), p. 8.]

O Ap�stolo Paulo ensinou que a maneira como damos � t�o importante como o que damos. "Cada um contribua segundo prop�s no seu cora��o; n�o com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que d� com alegria" (II Cor�ntios 9:7).

Como membros da Igreja, pagamos o d�zimo e damos outras ofertas ao Senhor em dinheiro, mercadorias e tempo.

Os d�zimos s�o usados pela Igreja para muitos prop�sitos. Alguns deles s�o:

1. Construir, conservar e manter o funcionamento de templos, capelas e outros edif�cios;

2. Prover fundos para os gastos das estacas, alas e outras unidades da Igreja. (Essas unidades utilizam os fundos    

    para a realiza��o de programas eclesi�sticos da Igreja, que incluem o ensino do evangelho e atividades sociais e 

    recreativas.);

3. Ajudar o programa mission�rio;

4. Educar os jovens em escolas, semin�rios e institutos da Igreja;

5. Imprimir e distribuir materiais de aula;

6. Ajudar nos trabalhos do templo e hist�ria da fam�lia.

Ofertas de Jejum. Os membros da Igreja jejuam todos os meses, n�o ingerindo qualquer alimento ou bebida durante duas refei��es consecutivas e contribuindo com pelo menos o dinheiro que teria sido gasto nessas refei��es. Os membros devem ser t�o generosos quanto puderem. Essas contribui��es s�o chamadas de ofertas de jejum. Os bispos utilizam as ofertas de jejum para prover alimento, abrigo, roupas e cuidados m�dicos aos necessitados.

Como parte do jejum, os membros assistem a uma reuni�o chamada reuni�o de jejum e testemunhos, na qual expressam seu testemunho de Cristo e do evangelho.

Fundo Mission�rio. Os membros contribuem para o fundo mission�rio da Igreja, a fim de ajudar a espalhar o evangelho no mundo. Esse fundo � utilizado para manter miss�es e mission�rios em quase todos os pa�ses.

Servi�o. Os membros tamb�m contribuem com tempo, habilidades e mercadorias para ajudar outras pessoas. Esse servi�o permite que a Igreja ajude membros e n�o-membros necessitados em todo o mundo em n�vel de comunidade, em n�vel nacional e internacional, especialmente em casos de calamidade.

O Senhor promete aben�oar-nos se pagarmos fielmente d�zimos e ofertas: "Trazei todos os d�zimos � casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim (...) se eu n�o vos abrir as janelas do c�u, e n�o derramar sobre v�s uma b�n��o tal at� que n�o haja lugar suficiente para a recolherdes" (Malaquias 3:10).

Uma revela��o moderna fala a respeito de outra b�n��o para os que pagam o d�zimo: "Este � um dia de sacrif�cio, e um dia para o d�zimo do Meu povo; pois aquele que paga o seu d�zimo n�o ser� queimado na ocasi�o da Sua vinda." (D&C 64:23)

S�o-nos prometidas b�n��os tanto materiais como espirituais. Se dermos espontaneamente, o Pai Celestial prover� nossas necessidades di�rias de alimento, roupas e teto. Ele tamb�m nos ajudar� a crescer "no conhecimento de Deus, no testemunho, no poder de viver o evangelho e de inspirar nossa fam�lia a fazer o mesmo" [Heber }. Grant, Gospel Standards (Padr�es do Evangelho), p. 58].

Os que pagam d�zimos e ofertas s�o muito aben�oados e sentem que est�o ajudando a construir o reino de Deus na Terra.

� D&C 119:1-4 (a lei do d�zimo)

� G�nesis 14:19-20; Alma 13:13-16 (Abra�o pagou d�zimos)

� II Cr�nicas 31:5-6, 12; Neemias 10:37-38 (os filhos de Israel pagaram d�zimos)

� 3 N�fi 24:8-10 (roubar� o homem a Deus?)

 

<< Cap�tulo 31

Sum�rio

P�gina Inicial

Cap�tulo 33 >>