Jesus ensinou: "Portanto deveis sempre orar ao Pai em meu nome." (3 N�fi 18:19)

A ora��o � uma das maiores b�n��os que possu�mos, enquanto estamos aqui na Terra. Por meio dela, podemos comunicar-nos com o Pai Celestial e procurar diariamente Sua orienta��o.

A ora��o � uma conversa sincera, feita do fundo do cora��o, com o Pai Celestial. Devemos orar a Deus e a ningu�m mais. N�o oramos a nenhum outro ser ou a qualquer coisa feita pelo homem ou por Deus. (Ver �xodo 20:3-5.)

Desde o princ�pio do mundo, a ora��o tem sido uma parte importante do evangelho. Um anjo do Senhor ordenou a Ad�o e Eva que se arrependessem e que clamassem ao Pai em nome do Filho (ver Mois�s 5:8). Esse mandamento nunca foi retirado da Terra. Nada nos ajudar� mais a nos aproximarmos de Deus do que a ora��o. Todos os nossos pensamentos, palavras e a��es s�o influenciados por nossas ora��es.

Devemos orar pedindo for�as para resistir �s tenta��es de Satan�s e seus seguidores (ver 3 N�fi 18:15; D&C 10:15). Devemos orar para confessar nossos pecados a Deus e para pedir-Lhe perd�o (ver Alma 38:14).

Devemos orar, pedindo a orienta��o e ajuda do Senhor em nossa vida di�ria. Precisamos orar por nossa fam�lia, amigos, vizinhos, nossas colheitas, nossos animais, nosso trabalho di�rio e outras atividades. Devemos orar pedindo prote��o contra nossos inimigos. (Ver Alma 34:17-25.)

Devemos orar para expressar amor ao Pai Celestial e para nos sentirmos mais pr�ximos Dele. Devemos orar ao Pai para agradecer-Lhe por nosso conforto e bem-estar e por todas as coisas que Ele nos d� diariamente. (Ver I Tessalonicenses 5:18.) Precisamos orar para pedir ao Pai Celestial for�a para viver o evangelho.

Devemos orar para nos conservarmos no caminho estreito e reto que conduz � vida eterna. Devemos orar a Deus, o autor de toda a retid�o, para que sejamos retos em pensamento, palavras e a��es.

Podemos orar sempre que sentirmos necessidade de nos comunicar com o Pai Celestial, quer em sil�ncio, quer em voz alta. Em certos momentos, precisamos ficar sozinhos para abrirmos a alma ao Pai Celestial (ver Mateus 6:6). Al�m disso, podemos orar durante nossas atividades di�rias. Podemos orar enquanto estamos nas reuni�es da Igreja, em casa, ao caminhar por uma estrada ou rua, quando estamos trabalhando, preparando uma refei��o ou fazendo qualquer outra coisa, em qualquer lugar. Podemos orar a qualquer hora do dia ou da noite, quando estivermos sozinhos ou acompanhados. Podemos ter o Pai Celestial em pensamento o tempo todo. (Ver Alma 34:27.)

�s vezes, podemos sentir-nos sem desejo de orar. Talvez estejamos zangados, desanimados ou aborrecidos. Nesses momentos, devemos fazer um esfor�o especial para orar.

Devemos orar sozinhos pelo menos todas as noites e todas as manh�s. As escrituras nos falam da ora��o pela manh�, ao meio-dia e � tarde. (Ver Alma 34:21.)

�-nos ordenado que fa�amos ora��es familiares, para que nossa fam�lia seja aben�oada. (Ver 3 N�fi 18:21.) Os l�deres da Igreja nos aconselham a orar em fam�lia todas as manh�s e noites.

Temos tamb�m o privil�gio de oferecer ora��es, agradecendo e pedindo b�n��os sobre os alimentos em cada refei��o.

Iniciamos e terminamos todas as reuni�es da Igreja com uma ora��o. Agradecemos ao Senhor por Suas b�n��os e pedimos Sua ajuda para que O adoremos de maneira que seja do Seu agrado.

N�o importa onde estejamos, se estamos em p� ou ajoelhados, se oramos em sil�ncio ou em voz alta, se oramos a s�s ou com um grupo, devemos sempre orar com f�, "com um cora��o sincero e com real inten��o". (Mor�ni 10:4)

Ao orarmos ao Pai Celestial devemos dizer-Lhe o que realmente sentimos no cora��o, fazendo-Lhe confid�ncias, pedindo-Lhe perd�o, suplicando-Lhe, agradecendo-Lhe e expressando-Lhe o nosso amor. N�o devemos repetir palavras e frases sem sentido. (Ver Mateus 6:7-8.) Devemos sempre pedir que seja feita a Sua vontade, lembrando que o que desejamos talvez n�o seja o melhor para n�s. (Ver 3 N�fi 18:20.) Finalizamos nossas ora��es em nome de Jesus Cristo. (Ver 3 N�fi 18:19.)

As ora��es sinceras s�o sempre respondidas. Algumas vezes a resposta poder� ser "n�o", porque o que pedimos talvez n�o seja o melhor para n�s. Algumas vezes a resposta ser� "sim", e teremos uma sensa��o de calor e conforto sobre o que devemos fazer. (Ver D&C 9:8-9.) Algumas vezes, a resposta ser� "espere um pouco". Nossas ora��es s�o sempre respondidas na hora e da maneira que o Senhor sabe que ir� ajudar-nos mais.

Algumas vezes o Senhor responde �s nossas ora��es por interm�dio de outras pessoas. Um bom amigo, um marido ou esposa, um pai ou m�e ou outro membro da fam�lia, um l�der da Igreja, um mission�rio - qualquer um desses indiv�duos poder� ser inspirado a agir de forma a responder �s nossas ora��es. Um exemplo disso � a experi�ncia de uma jovem m�e, cujo filho se machucou em um acidente em casa. Ela n�o tinha meios de levar a crian�a a um m�dico. Era nova na vizinhan�a e n�o conhecia as pessoas ainda. Essa jovem m�e orou pedindo ajuda. Em poucos minutos, uma senhora vizinha veio � sua porta, dizendo: "Tive a sensa��o de que deveria vir � sua casa e ver se precisava de ajuda". A vizinha, ent�o, ajudou essa jovem m�e a levar a crian�a a um m�dico.

Com freq��ncia, Deus nos d� o poder de ajudar a responder �s nossas pr�prias ora��es. Ao pedirmos ajuda na ora��o, devemos fazer o poss�vel para tornar realidade aquilo que desejamos.

Se vivermos o evangelho de Jesus Cristo e orarmos sempre, teremos alegria e felicidade. "S� humilde; e o Senhor teu Deus te conduzir� pela m�o e responder� as tuas ora��es." (D&C 112:10)

� Tiago 1:5 (pelo que orar)

� I Tessalonicenses 5:17; Salmos 55:17; 2 N�fi 32:9 (quando orar)

� Alma 34:26 (onde orar)

� 3 N�fi 19:6, 24; I Tim�teo 4:15 (como orar)

� D&C 88:63-65 (como as ora��es s�o respondidas)

� Mor�ni 10:3-5; Alma 37:37 (promessas para a ora��o)

 

<< Cap�tulo 7

Sum�rio

P�gina Inicial

Cap�tulo 9 >>